Ítalo Ferreira vence Gabriel Medina em final épica em Pipeline e é campeão mundial de surfe

No Havaí, potiguar de 25 anos conquista o título pela primeira vez, evita tri de Gabriel e se torna o terceiro brasileiro a levantar o caneco na elite do surfe mundial

Por Breno Dines — Oahu, Havaí

19/12/2019

Ítalo Ferreira vence Gabriel Medina em final épica em Pipeline e é campeão mundial de surfe

Reprodução/WSL

A espera chegou ao fim de forma épica. Na briga pelo título mundial de 2019, Ítalo Ferreira e Gabriel Medina foram ao limite. E, na decisão da etapa derradeira do circuito, foi o potiguar quem levou a melhor para entrar para a história. Em Pipeline, Ítalo bateu Medina na grande final para conquistar seu primeiro título mundial aos 25 anos. Ao levantar o troféu no Havaí, cravou seu nome no rol de campeões e barrou o rival no sonho do tricampeonato.

Ítalo entra para o seleto grupo dos campeões mundiais, que também já conta com o próprio Medina (2014 e 2018) e Adriano de Souza, o Mineirinho (2015). O potiguar foi eleito “o estreante do ano” na temporada de 2015 e por muito pouco não esteve na briga pelo título mundial daquela temporada – foi o sétimo ao final da disputa. Desde então, se manteve na elite e se firmou como um dos grandes nomes do surfe mundial.

– É o meu sonho, o sonho de toda a minha vida! Eu dediquei toda a minha vida para chegar neste momento. Meu tio e a minha avó morreram recentemente e eu dedico a eles. Eu não posso acreditar! – disse o potiguar.

A briga pelo título se estendeu ao limite. Depois de sete dias de espera por boas ondas, Ítalo e Medina enfileiraram os rivais até a final em Pipeline. Foi Ítalo Ferreira quem abriu a bateria decisiva – e da melhor forma possível. Com um belo tubo, o potiguar cravou 7.83 e jogou toda a pressão para o lado rival. E não quis esperar pela resposta: logo na sequência, emendou mais um tubo, fez 6.17 e deixou Medina em combinação. Em busca da reação, o bicampeão garantiu a primeira boa nota da mesma forma, com um tubo, marcando 7.77.

Medina melhorou seu somatório com um 5.17, insuficiente para tomar a frente. Mas Ítalo ampliou a diferença com um 7.73, obrigando que o rival conseguisse um 7.80 para conseguir a virada a pouco mais de cinco minutos do fim. Medina tentou, mas não conseguiu. O título já estava nas mãos de um novo campeão.

O caminho até a final

Na primeira bateria do dia, Ítalo Ferreira foi cirúrgico para passar das oitavas. Ele completou apenas duas ondas, e foi o suficiente para somar 11.84 pontos e derrotar o calouro Crisanto (4.23). Foram dois tubos para a esquerda. No primeiro, ele somou 5.17 e no segundo obteve 6.67. Nada espetacular, mas, por conta do momento regular do mar de Pipe, foi um trabalho respeitável.

Ítalo Fereira Pipeline posa com a taça de campeão mundial antes da etapa — Foto: Getty Images

Ítalo Fereira Pipeline posa com a taça de campeão mundial antes da etapa — Foto: Getty Images

Vitória polêmica de Medina nas oitavas

Antes de perder nas quartas, Gabriel Medina havia seguido na briga com uma vitória polêmica sobre Caio Ibelli. Faltando poucos segundos para o fim da bateria, o também paulista precisava de 5.67 para virar e tinha a prioridade na escolha de onda, mas Gabriel Medina também dropou, cometeu interferência, o tempo acabou e ele ganhou a bateria, pois a punição é deixar de somar a segunda melhor onda! Mesmo assim, Gabriel avança às quartas com o placar de 4.23 a 1.13.

+ Caio Ibelli cita “jogo sujo” de Medina, mas ameniza crítica

– Eu sabia que uma interferência iria me dar a vitória. Eu não sei (se Caio faria o resultado na última onda). Mas eu apenas tenho que jogar o jogo. Na minha cabeça, eu sabia o que fazer. É como eu falei, está na regra – comentou Medina.

Nas quartas de final, Ítalo venceu o compatriota Yago Dora logo na primeira bateria. Medina, por sua vez, levou a melhor no duelo de bicampeões com John John Florence. Na última disputa antes da decisão, Ítalo garantiu sua vaga ao bater Kelly Slater, enquanto Medina derrubou o também americano Griffin Colapinto.

Kelly Slater é campeão da Tríplice Coroa

Aos 47 anos, Kelly Slater conquistou a Tríplice Coroa Havaiana (soma dos resultados das duas últimas etapas do QS e do Pipe Masters) e anunciou que vai seguir na ativa em 2020! Dono de 11 títulos mundiais, o americano fechou a temporada em nono do ranking.

Confira os confrontos das oitavas em Pipeline:

1- Ítalo Ferreira (BRA) 11.84 x Peterson Crisanto (BRA) 8.04
2- Yago Dora (BRA) 7.50 x Julian Wilson (AUS) 6.27
3 – Ricardo Christie (NZL) 4.23 x Jack Freestone (AUS) 5.00
4 – Seth Moniz (HAV) 6.20 x Kelly Slater (EUA) 7.33
5 – Gabriel Medina (BRA) 4.23 x Caio Ibelli (BRA) 1.13
6 – John John Florence (HAV) 5.66 x Soli Bailey (AUS) 3.90
7 – Jessé Mendes (BRA) 8.50 x Griffin Colapinto (EUA) 10.67
8 – Michel Bourez (FRA) 13.43 x Kolohe Andino (EUA) 9.50

Confira os confrontos das quartas:

1 – Ítalo Ferreira (BRA) 15.66 x Yago Dora (BRA) 13.502 – Jack Freestone (AUS) 9.26 x Kelly Slater (EUA) 12.94
3 – Gabriel Medina (BRA) 17.63 x John John Florence (HAV) 12.334 – Griffin Colapinto (EUA) x Michel Bourez (FRA)

Confira os confrontos da semi:

1 – Ítalo Ferreira (BRA) 14.77 x 2.57 Kelly Slater (EUA)
2 – Gabriel Medina (BRA) 13.00 x 7.10 Griffin Colapinto (EUA)

Confira o resultado da grande final:

1 – Ítalo Ferreira 15,56 x 12,94 Gabriel Medina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *