Home / Noticias / Militares do Exército no Vale concentram ações na Revap em São José

Militares do Exército no Vale concentram ações na Revap em São José

Forças Armadas foram acionadas na sexta-feira para desobstruir estradas em protesto de caminhoneiros.


Por G1 Vale do Paraíba e Região

Militares do Exército no Vale do Paraíba concentram ações na Refinaria Henrique Lage (Foto: Pedro Melo/ TV Vanguarda)

Militares do Exército no Vale do Paraíba concentram ações na Refinaria Henrique Lage (Foto: Pedro Melo/ TV Vanguarda)

Militares do Exército no Vale do Paraíba concentram neste sábado (26) as ações na Refinaria Henrique Lage (Revap) em São José dos Campos (SP).

Os militares estão mobilizados desde sexta-feira após o governo federal acionar as Forças Armadas para desobstruir estradas com protestos de caminhoneiros contra o preço do diesel. A medida foi adotada após caminhoneiros negarem trégua proposta pelo governo.

Neste sábado, os militares da 12ª Brigada de Infantaria Leve, que engloba os batalhões do Exército na região, atuam na escolta de comboios de caminhões para a retirada da produção de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) armazenada na Revap desde o início da paralisação.

Também foram feitas escoltas de caminhões carregados de nitrogênio líquido para abastecer a refinaria, o que garante o funcionamento seguro da unidade.

Os militares também realizaram o transporte de combustível para abastecimento das unidades da Polícia Militar em diversas cidades na região.

As equipes também realizaram reconhecimentos aéreos de pontos com manifestações na Dutra, Carvalho Pinto, Dom Pedro I e Anhanguera. Em nota, o Exército afirmou ainda que “as tropas da Brigada Aeromóvel serão empregadas de forma rápida, enérgica e integrada, em reforço às ações federais e estaduais”.

Os objetivos das ações do Exército são distribuição de combustível nos pontos críticos, escolta de comboios, proteção de infraestruturas críticas e desobstrução de vias e acessos às refinarias, bases de distribuição de combustíveis e áreas essenciais.

Forças Armadas

O presidente Michel Temer acionou nesta sexta-feira (25) as forças federais para desbloquear estradas, ocupadas por caminhonheiros em greve. Segundo a assessoria do Ministério da Segurança Pública, as forças federais incluem Exército, Marinha, Aeronáutica, Força Nacional de Segurança e Polícia Rodoviária Federal (PRF).

O governo informou que já entrou em contato com governadores, para que as polícias militares também sejam utilizadas na operação para desbloquear rodovias estaduais.

Em razão da paralisação, faltam alimentos em supermercados e combustível em postos de gasolina. O transporte coletivo em diversas cidades foi afetado, indústrias pararam atividades e voos começaram a ser cancelados por falta de combustível nos aeroportos.

Segundo o governo, as rodovias devem ser totalmente liberadas. Com isso, caminhoneiros manifestantes não poderão ficar nem no acostamento. Os militares vão poder entrar em caminhões, se for o caso, para retirá-los da via.

Os caminhões poderão ser apreendidos e os motoristas, presos.

Manifestação no Vale

Os caminhoneiros mantêm pelo sexto dia o protesto contra o aumento do diesel em rodovias no trecho do Vale do Paraíba. O protesto causa reflexos em diversos setores, serviços públicos, como transporte público e educação, e desabastecimento de combustíveis e alimentos.

Os caminhões seguem às margens da Dutra em pelo menos nove pontos nas cidades de Jacareí, São José dos Campos, Caçapava, Pindamonhangaba e Lorena. Também há mobilização na Tamoios e Oswaldo Cruz, segundo a Polícia Rodoviária Estadual.

Os protestos causam reflexos em diversos setores e serviços. Há desabastecimento de combustível, o que provocou filas em postos e alterações no transporte público. Alimentos também estão em falta nos supermercados e feiras.

Compartilhar:

Você pode Gostar de:

Por que alguns celulares mudaram para o horário de verão no dia errado?

Aparelhos com tabela de fuso horário desatualizada aplicaram regra de 2017 e avançaram uma hora …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Banner to display