Menor suspeito de planejar massacre em escola de Suzano participa de audiência

Defesa do jovem alega que ele apenas ‘fantasiou’ o crime e que não teve participação. Justiça determinou apreensão provisória de 45 dias; adolescente foi apreendido no dia 19 de março.

Por G1 Mogi das Cruzes e Suzano

26/03/2019


Menor suspeito de planejar massacre chega para audiência no Fórum de Suzano — Foto: Natan Lira/G1

O jovem de 17 anos suspeito de ajudar a planejar o massacre na Escola Raul Brasil, em Suzano, participa de uma audiência no fórum da cidade na manhã desta terça-feira (26). O menor entrou pela porta dos fundos do Fórum. O caso está em segredo de Justiça.

Além do menor, na audiência serão ouvidas testemunhas de defesa e de acusação. O adolescente foi apreendido no dia 19 de março e é acusado pelo Ministério Público (MP) e pela Polícia Civil de participar do planejamento da chacina.

Para a investigação, ele foi mentor intelectual do crime. No entanto, a defesa do jovem disse que ele apenas fantasiou o crime, mas não ajudou os assassinos a executá-lo.

Dez pessoas, incluindo dois criminosos, morreram no ataque ocorrido em 13 de março. Outras 11 ficaram feridas. Um rapaz segue internado no Hospital das Clínicas, em São Paulo. A situação de Anderson Carrilho de Brito, 15 anos, é estável, segundo a Secretaria Estadual de Saúde.

Dois assassinos invadiram a escola na manhã de 13 de março. Depois de encurralados pela polícia, o mais jovem, de 17 anos, matou o mais velho, de 25 anos, e se matou. Os dois assassinos e o adolescente apreendido haviam estudado na Raul Brasil.

esta segunda-feira (25), Marcelo Feller, advogado do Instituto de Defesa do Direito de Defesa (IDDD), que defende os interesses do adolescente apreendido, confirmou que em 2015 seu cliente conversou com o assassino mais novo sobre atacar a escola, mas que, à época, isso era uma “fantasia” e não um plano.

Homenagens na Escola Raul Brasil, palco de massacre em Suzano no dia 13 de março — Foto: Maiara Barbosa/G1

Evidências

Durante a investigação foram analisados os celulares dele e dos dois assassinos e, de acordo com a polícia, os três aparelhos têm conversas claras sobre o planejamento das mortes.

Entre as evidências estão depoimentos, como o de uma professora que afirma que, no início do mês, durante uma dinâmica de grupo sobre expectativa de futuro, o adolescente “de forma fria, sem expressar qualquer sentimento, respondeu que seu maior sonho era entrar em uma escola, armado, e atirar em várias pessoas aleatoriamente”.

Em outro depoimento, um amigo dele disse que o menor havia dito que tinha planejado o crime com um dos assassinos, mas que não sabia quando seria executado.

Além disso, uma testemunha afirmou ter visto o menor com a dupla que executou o crime numa locadora de veículos no dia em que eles alugaram o carro usado no crime. Outra evidência foi a apreensão na casa dele de “uma bota estilo coturno, em estado de conservação novo, muito similar às utilizadas pelos autores do crime”.

Com base nessas novas evidências e num parecer do promotor Rafael do Val, a juíza Erica Marcelina Cruz, da 1ª Vara de Suzano, determinou a apreensão provisória do adolescente, por 45 dias, na Fundação Casa.

Adolescente foi apreendido no dia 19 de março — Foto: Kleber Tomaz/G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *