Home / Brasil / LAMENTÁVEL: DELEGADO DA PF É MORTO A FACADAS PELO PRÓPRIO NETO EM ALAGOAS

LAMENTÁVEL: DELEGADO DA PF É MORTO A FACADAS PELO PRÓPRIO NETO EM ALAGOAS

NETO MATOU MILTON OMENA FARIAS E CRÊ QUE AVÔ MATOU SUA MÃE

No mesmo dia em que a Secretaria de Segurança Pública (SSP/AL) anunciou a conclusão do inquérito sobre a morte da jornalista Márcia Rodrigues, seu pai e delegado da Polícia Federal, Milton Omena Farias, foi assassinado a facadas pelo próprio neto, no início da tarde desta sexta-feira (27), na cidade de Paripueira. O jovem de 23 anos tem o mesmo nome da vítima e foi preso em flagrante, no local do crime.

De acordo com a polícia o autor do crime disse ter matado o delegado federal aposentado após discussão, motivada pela crença do neto de que o avô assassinou sua mãe, Márcia Rodrigues. Apesar de nunca ter sido tratado publicamente como suspeito, Milton Omena Farias era tratado pelo neto como principal suspeito de matar a própria filha, porque saiu de sua arma o disparo que a matou. O jovem alegou legítima defesa.

Márcia foi encontrada morta em 14 de agosto do ano passado, na casa do delegado, com a arma do pai ao lado de seu corpo.

Milton Omena Farias Neto foi preso em flagrante e confessou ter matado o avô. O portal Gazetaweb conversou com o major Paulo Eugênio, que prendeu o jovem no local do crime e afirmou ter ouvido do neto do delegado que ele foi até a casa do avô e o matou após uma discussão.

“AO QUE PARECE, ELE TOMOU AS DORES PELA MORTE DA MÃE E VEIO ATÉ AQUI TIRAR SATISFAÇÃO. ESTA É A SITUAÇÃO INICIAL”, DISSE O MAJOR, À GAZETAWEB.

SILÊNCIO DESINFORMA

No início da mesma tarde em que o delegado foi assassinado, a assessoria de imprensa da SSP adiou para a próxima terça-feira (31) a coletiva sobre a morte de Márcia Rodrigues, convocada para as 16h desta sexta. A informação oficial foi de que houve “imprevistos” com um dos delegados do caso.

JOVEM DIZ TER VINGADO MORTE DA MÃE (RAFAEL MAYNART/FACEBOOK)

Apesar da grande repercussão da morte do delegado suspeito, a SSP decidiu manter a sociedade sem informações sobre a morte de sua filha, mesmo já tendo sido concluído o inquérito, que também apurava a hipótese de suicídio de Márcia.

A assessoria de imprensa da SSP afirmou que o adiamento da coletiva sobre o caso Márcia Rodrigues não tem qualquer relação com o crime envolvendo o pai e o filho da vítima. E o delegado de Paripueira, Tarcísio Vitorino, disse que o delegado federal não tinha nenhuma relação com a morte da filha.

A decisão pelo silêncio sobre o inquérito, um documento público e anunciado como concluído por fonte oficial, é mais um exemplo do nível de compromisso que a gestão do coronel Lima Júnior à frente da SSP tem com a transparência das informações de interesse público.

O crime desta tarde pode ter tomado como exemplo do risco da desinformação para a sociedade. Afinal, se o delegado foi inocentado pelo inquérito que durou cinco meses para ser concluído, a arma que levou Alagoas a ter mais um morto nas estatísticas e mais um assassino no sistema prisional foi a desinformação sobre tal desfecho, promovida e mantida pelo Estado, até este momento

Diário do Poder

Você pode Gostar de:

Diretório do PT aprova abertura de processo para expulsar Palocci por declarações contra Lula na Lava Jato

Abertura de ação em comissão de ética em Ribeirão Preto, SP, ocorre contra ex-ministro após …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Banner to display