Home / Brasil / Instrutor Mata Aluno em Escola de Tiros.

Instrutor Mata Aluno em Escola de Tiros.

MARCELO OLIVEIRA
da Reportagem Local

O instrutor de tiro Rodolfo dos Santos Castillano Rodriguez, 36, matou com um tiro na cabeça o segurança José Pereira da Silva, 35, durante uma aula de simulação de assalto em um curso de reciclagem do Centro de Formação Ideal, uma escola para vigilantes.
O crime, considerado homicídio culposo (sem intenção do autor), ocorreu às 10h30 de ontem 23/03/17  na rua Lopes Trovão, 141, no pátio de aulas práticas da sede da Ideal.
Segundo as versões do acusado e do sargento da PM Jesuíno José da Silva, 31, também instrutor da Ideal e motorista do Gol usado na simulação da qual o segurança foi vítima fatal, Rodriguez não teve intenção de matar Pereira.
“O instrutor, após dispensar uma turma de 25 alunos de uma aula de tiro em alvo fixo -na qual pode ele pode usar munição de verdade-, continuou com a mesma arma, e, por negligência, acabou usando-a na simulação de assalto”, disse o delegado titular do 2º DP (Bom Retiro), Carmo Aparecido de Camargo.
De acordo com o delegado, houve negligência ou imprudência do instrutor, pois ele deveria ter descarregado a arma ou tê-la trocado por outra antes da simulação de assalto, na qual participava como auxiliar do sargento Silva, que faz “bico” como instrutor da Ideal.
Silva afirma que tanto ele como Rodriguez davam a aula para Pereira, que fazia um curso de segurança pessoal, individual, de 40 horas/aula.
A aula de ontem era uma simulação de assalto na qual Rodriguez fazia o papel de assaltante. Pereira deveria dominá-lo ou entregar o carro sem reação.
“Ele fez o de sempre: abordou o carro pelo lado do passageiro e o enquadrou (mirou). Só que ele deveria estar com uma arma sem munição ou com apenas uma espoleta (bala de festim)”, disse.
Segundo Silva, Rodriguez era só instrutor e tinha 14 anos de experiência. “Foi a primeira falha dele, que foi fatal, infelizmente.”
O tiro, na versão do acusado e da testemunha, ocorreu a uma distância de seis metros e a primeira reação de Rodriguez ao perceber o erro, segundo Silva, foi socorrer Pereira, que morreu logo depois de chegar à Santa Casa.
Pereira era vigilante da empresa Guarda Patrimonial (GP) há sete anos. Desde que iniciou o curso, estava trabalhando na sede da empresa, na avenida Nove de Julho.
Após terminar o curso, Pereira, que era casado e pai de quatro filhos, seria promovido a segurança particular. Segundo a GP, ele foi o primeiro funcionário a fazer reciclagem na Ideal.
Rodriguez responderá pelo homicídio culposo em liberdade. Ele foi autuado em flagrante e liberado após pagar fiança de R$ 400. O instrutor não quis dar entrevistas.

Você pode Gostar de:

Mulher mata ex namorado porque ele ter usado Tinder

Da redação | Publicado em 15 de dezembro de 2017.   (Foto: Divulgação) Uma mulher de 25 anos …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Banner to display