Antigo IPA registra rebelião e fuga de reeducandos nesta terça

Centro de Progressão Penitenciária fica localizado na rodovia João Ribeiro de Barros.

Por: Heitor Carvalho

O antigo Instituto Penal Agrícola (IPA) de Bauru registra rebelião e fuga de 70 a 100 reeducandos durante a manhã desta terça-feira (24), segundo informações do Centro de Operações da Polícia Militar (Copom).

 

O atual Centro de Progressão Penitenciária 3 (CPP-3) “Prof. Noé Azevedo” de Bauru está localizado no km 349 da rodovia Comandante João Ribeiro de Barros (SP-294).

Viaturas da corporação estão por todo o local, assim como o helicóptero Águia da PM

O tenente coronel Flavio Kitazume (comandante do 4.o Batalhão de Polícia Militar) disse que a situação dentro da unidade está controlada e que a rebelião é caso isolado (ou seja, não há outras unidades prisionais nesta condição na região).

Ele destacou, ainda, que foram acionadas as forças policiais da região para apoio na recaptura dos foragidos.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, os internos colocaram fogo no setor de alojamentos do CPP-3 e o incêndio que começou a se espalhar pelo prédio. Os bombeiros estão no local para combater as chamas. Os três pavilhões chegaram a ser atingidos.

Há a informação de que empresas das imediações (Distrito Industrial 3) fecharam as portas. Algumas lojas do Centro da cidade também começaram a fechar.

A Câmara de Vereadores de Bauru está fechada desde às 11h por ordem do presidente Alexssandro Bussola (PDT) devido a falta de segurança.

Os shoppings de Bauru seguem abertos, mas com alerta reforçado em segurança.

Segundo dados da Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (SAP), o CPP-3 funciona em regime semiaberto e deveria abrigar até 1124 pessoas, mas está com número de internos acima de sua capacidade.

A maioria deles cumpre pena por crimes relacionados ao tráfico de drogas, mas também há condenados por homicídio, roubo e furto.

O CPP-3 é uma das 136 unidades prisionais e um dos 15 centros de progressão penitenciária do Estado. Bauru ainda conta com outros dois CPPs e um Centro de Detenção Provisória (CDP).

O JCNET acompanha o caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *